Reportagem da revista ÉPOCA revela que Pimentel movimentou R$ 3,1 milhões de forma suspeita

epoca-banner2br

De acordo com agência federal de combate à lavagem de dinheiro, em uma das movimentações, o governador mineiro sacou R$ 150 mil em dinheiro vivo dois meses após as eleições de 2014; o ex-presidente Lula e os ex-ministros Antônio Palocci e Erenice Guerra também movimentaram cifras milionárias

Reportagem exclusiva estampada na capa da revista ÉPOCA desta semana apresenta mais uma grave denúncia contra o governador de Minas Gerais Fernando Pimentel, do PT. De acordo com a matéria, que tem como título “A fortuna suspeita das estrelas do PT”, relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), a agência do governo federal de combate à lavagem de dinheiro, revela que Pimentel, o ex-presidente da República Luis Inácio Lula da Silva e os ex-ministros Antonio Palocci e Erenice Guerra, entre outros correligionários petistas, movimentaram nos últimos anos quase meio bilhão de reais em transações com indício de irregularidades. Continuar lendo

PF suspeita que Pimentel embolsou R$ 500 mil pagos por sindicato a empresa de consultoria, afirma jornal O GLOBO

redeescandalos_blog

Reportagem publicada na edição desta quarta-feira (09/09) do jornal O GLOBO traz mais uma denúncia envolvendo o governador de Minas Gerais Fernando Pimentel. O escândalo da vez envolve o Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais (SINDIEXTRA-MG) que, de acordo com a matéria, pagou R$ 500 mil à OPR Consultoria, empresa ligada ao governador mineiro.

Os pagamentos ocorreram em 2013, quando Pimentel era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. “A Polícia Federal suspeita que ele (Pimentel) era o destinatário final dos recursos”, afirma a reportagem. O jornal afirma ainda que Pimentel é amigo do presidente do SINDIEXTRA, Fernando Coura, e que, inclusive, “tentou emplaca-lo como Ministro das Minas e Energia no segundo mandato de Dilma”.

A OPR Consultoria é na verdade a nova razão social da P- 21 Consultoria, que até 2012 tinha como sócios Pimentel e seu antigo assessor na Prefeitura de BH, Otílio Prado. Atualmente, Otílio Prado trabalha como assessor da Secretaria de Estado da Fazenda.

Em menos de duas semanas, é a segunda vez que a imprensa noticia a movimentação suspeita de recursos envolvendo Pimentel e a OPR Consultoria. Reportagem publicada no mesmo jornal “O Globo” em 30/08 já havia noticiado investigação da Polícia Federal sobre ligação do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), com suposto caixa 2 de Fernando Pimentel.

Confira a íntegra da nova matéria de O GLOBO sobre o novo escândalo envolvendo o governador de Minas: Continuar lendo

Governo do PT ignora urgência da duplicação da BR-381

Ainda caminham a passos lentos as obras de duplicação da BR-381. Segundo reportagem do jornal O Tempo, o DNIT retomou, semana passada, as obras paralisadas por falta de pagamento a fornecedores, mas pelo visto foi só para “inglês ver”. A maioria das empresas terceirizadas não reiniciou os trabalhos e quem retomou está com receio de colocar toda a equipe nos canteiros e não ter recursos para pagar os funcionários. Leia aqui: http://bit.ly/1EDUGYt

Reprodução Jornal O Tempo

Além disso, há ainda lotes da obra sem licitação, como o que inclui o trecho entre BH e Caeté eoutro próximo a Monlevade. A duplicação da BR-381 vem sendo prometida desde 2002 nas campanhas de Lula e, posteriormente, virou promessa nas campanhas de Dilma e também do governador eleito Fernando Pimentel. Mas pelo andar da carruagem o PT não quer resolver o problema da Rodovia da Morte que deixa milhares de vítimas fatais por ano no Estado.

Investimentos do MEC caem 30% em 2015

No discurso de posse do segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o lema de seu novo governo será “Brasil, Pátria Educadora”. Apesar da frase sintetizar a priorização da educação no governo federal, até agora o lema não se refletiu nos investimentos da área. As aplicações do Ministério da Educação (MEC) caíram quase 30% no primeiro trimestre de 2015 quando comparadas com igual período de 2014.

Nos três primeiro meses deste ano, R$ 1,5 bilhão foi destinado para obras e compra de equipamentos, contra R$ 2,1 bilhões do ano passado. A previsão é de que R$ 14,2 bilhões sejam aplicados pelo MEC em 2015. No exercício de 2014, o valor era pouco menor: R$ 14,1 bilhões.

O desempenho menor em relação ao ano anterior, por consequência, também foi observado nas iniciativas do MEC. Para a rubrica “Educação Básica” foram aplicados R$ 671,2 milhões em 2015. No ano passado, o programa recebeu R$ 1,1 bilhão, isto é, 63% a mais do que no início deste exercício.  Continuar lendo

Presidência da República já gastou, em 2014, 16% a mais do que todo período de 2013

charge-2001

A presidente Dilma Rousseff caminha em direção oposta à de seus ministros quando o assunto é o uso do cartão corporativo – cartão com saldo para saques e compras de produtos e serviços inerentes ao cargo público. O montante utilizado de forma sigilosa pela Presidência neste ano já supera em 16% todo o gasto de 2013. Os gastos saltaram de R$ 5,6 milhões em 2013 para R$ 6,5 milhões de janeiro a novembro deste ano. Um recorde. Os gastos são protegidos por sigilo “para garantia da segurança da sociedade e do Estado”. Mas é bom lembrar: quem paga é você.

Leia matéria completa no jornal O Tempo

 

Destaque na imprensa: Governo dos EUA abre investigação criminal sobre a Petrobras

petrobras

Segundo “Financial Times”, Departamento de Justiça americano investiga ilícitos na estatal, que tem papéis negociados na Bolsa de Nova York

O governo dos Estados Unidos está investigando denúncias de corrupção na Petrobrás. A informação foi publicada na tarde deste domingo, dia 9, na página do jornal britânico Financial Times na internet. Segundo reportagem do FT, há duas investigações: uma criminal e outra civil.

“O Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu uma investigação criminal sobre a companhia que tem recibos de ações negociados em Nova York. Enquanto a Securities and Exchange Comission (SEC, órgão do governo norte-americano que regula o mercado de capitais) realiza uma investigação civil”, diz o FT, que cita fontes familiarizadas com o tema.

Segundo o FT, as autoridades dos EUA investigam se “a Petrobrás ou seus funcionários, intermediários ou prestadores de serviço violaram o Foreign Corrupt Practices Act, uma lei contra a corrupção que torna ilegal subornar funcionários estrangeiros para ganhar ou manter negócios”.

A reportagem cita que a Petrobrás é a maior empresa do Brasil e “tornou-se alvo de investigações da Polícia Federal e procuradores citam que pode estar em um dos maiores casos de corrupção na história”. O FT destaca que “muitos dos supostos problemas ocorreram quando a presidente Dilma Rousseff foi chefe da empresa antes de tomar posse (como presidente da República) em 2011”.

Procurados, o Departamento de Justiça e a SEC não quiseram comentar o caso, diz o FT. Já a Petrobrás não respondeu aos pedidos de informação do jornal britânico.

Fonte: Jornal O Estado de S.Paulo

Destaque na imprensa: Fatia de Minas no PIB industrial avança e mostra diversificação

minas

De 2001 a 2011, participação da indústria mineira cresce de 9,3% para 11,5%. Destaques são extrativa mineral, metalurgia e setor de alimentos. Esse crescimento do PIB industrial mineiro e outros dados importantes sobre o setor no Estado integram o estudo Perfil da Indústria nos Estados, divulgado nesta quinta-feira (06/11) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) durante o Encontro Nacional da Indústria (ENAI), em Brasília.

O documento traz uma série de informações sobre a evolução da participação da indústria de cada Estado na economia local, no PIB industrial nacional, na geração de emprego, nas exportações, além dos principais segmentos industriais em cada unidade da federação.

Para o gerente de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca, essa evolução do PIB industrial mineiro contou com um cenário interno e externo favorável, em que tanto o mercado interno quanto o externo foram de vento em popa, beneficiando principalmente a indústria extrativa mineral. “Esse crescimento é, sem dúvida, um fato positivo e, ao contrário do que muitos pensam, não indica uma concentração do PIB industrial do Estado no segmento extrativo mineral”, afirma Fonseca.

De fato, os números do estudo da CNI mostram uma diversificação da indústria mineira. Os setores com maior participação no PIB foram: alimentos (16,9%); metalurgia (16%); e extrativa mineral (15,9%).

“Além disso, Minas Gerais tem outros setores industriais fortes como o automotivo e bens de capital”, lembra. O contraponto de um Estado que depende muito de determinado setor é o Pará, que tem justamente no setor extrativo metálico o seu carro-chefe: 56,3% do PIB industrial.

Leia matéria completa publicada no jornal O Tempo