Trens do metrô de BH envelhecem sob sol e chuva e governo do PT não investe em obra de expansão

Foto: Alex de Jesus (Reprodução Jornal O Tempo)

Promessa das campanhas petistas de Lula e Dilma à Presidência e também de Fernando Pimentel ao governo de Minas, a expansão do metrô de Belo Horizonte está longe de ser uma realidade. Como se não bastasse o atraso do início das obras das linhas 2 e 3, nem mesmo a melhoria de estrutura da única linha existente consegue sair do papel.

Desta vez, o problema ficou por conta da falta de pátio e de garagem para os novos trens que chegaram à capital para incrementar a atual frota. Expectativa é de que os novos trens reduzissem o intervalo de viagens do metrô da capital.

Segundo reportagem do jornal O Tempo, mesmo quando começar a rodar, a nova frota não irá reduzir o intervalo de viagens, porque, além das outras deficiências, as composições modernas terão que se adaptar ao sistema de sinalização usado atualmente, já obsoleto. O governo federal do PT prometeu instalar o novo sistema de sinalização, mas até hoje nada e as novas composições estão parados no tempo, desde novembro, correndo o risco de se deteriorar com chuva e sol.

Leia mais: http://bit.ly/1QKHHZY

Desde que o PT assumiu o governo federal, o metrô de Belo Horizonte não recebe investimentos, somente promessas. Foi assim nos últimos 12 anos e deve continuar em 2015, para desconforto dos mais de 230 mil passageiros que são transportados por dia na capital mineira.

Quatro anos depois de mais um anúncio de liberação de verbas para a construção de duas novas linhas e com mais de R$ 60 milhões gastos com projetos e sondagens no solo da capital, a obra pode voltar à estaca zero.

Quando assumiu o governo, Fernando Pimentel (PT), disse que deveria lançar consulta popular para ouvir moradores da Região Metropolitana de Belo Horizonte sobre quais regiões devem receber os novos trechos do metrô. Dessa forma, será necessário revisar, ou até mesmo descartar, os projetos já elaborados para a ampliação da linha existente Eldorado/Vilarinho e para as novas linhas Savassi/Lagoinha e Barreiro/Nova Suíça. O resultado todo mundo já sabe: mais atrasos e promessas não cumpridas.

Este é o jeito do PT de governar, de costas para Minas e os mineiros.

Justiça derrota tentativa de censura do PT

 

desviometrobh

Partido dos Trabalhadores queria proibir distribuição de folheto produzido pela Juventude do PSDB mostrando como o governo federal prejudica Minas

O Partido dos Trabalhadores saiu derrotado da tentativa de censurar folheto distribuído pela Juventude do PSDB que mostra o descaso dos governos petistas para com Minas Gerais. O Tribunal Regional Eleitoral julgou improcedente ação do PT, que queria proibir a distribuição do material por causa das críticas contidas ao governo federal. Desde 2002, os governos Lula e Dilma vêm prometendo ampliar o metrô da capital, mas que até agora ficou só na promessa.

Com o título “Pega na mentira”, a Juventude Tucana faz uma retrospectiva dessas promessas, que sempre ressurgem nos períodos eleitorais (ilustração abaixo). A última ampliação do metrô de Belo Horizonte se deu no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Além do metrô, o material distribuído mostra como os mineiros vêm perdendo investimentos diante de privilégios concedidos pelos governos petistas a outros estados. É o que apresenta o “De costas para Minas” (ilustração abaixo), que lembrou, entre outros, da ida da nova fábrica da Fiat para Pernambuco com a ajuda do governo do PT. “Minas ficou sem a produção de 250 mil carros por ano e milhares de empregos”, informa.

Na decisão, a juíza Lilian Maciel Santos afirma que as notícias e informações publicadas no folheto já haviam sido veiculadas nos jornais e que possuem vínculo direto com a população de Minas Gerais, “uma vez que versam sobre fatos que teriam prejudicado todo o Estado”.

A juíza também ressaltou que a liberdade de expressão e de informação são direitos constitucionais que devem ser preservados e protegidos e julgou improcedente a acusação feita pelo PT de propaganda eleitoral extemporânea.

“Forçoso concluir, portanto, que no caso em voga, deve se dar prevalência à liberdade de expressão, considerando que não foi verificada qualquer abusividade nas matérias veiculadas no informativo, que se baseou em fatos ocorridos, para a partir daí, exercer seu juízo crítico e valorativo”, concluiu a juíza Lilian Maciel ao negar pedido de censura do Partido dos Trabalhadores.

decostaspraminas

 

Peganamentira-640x749

 

muitaconversa