Aécio Neves se reúne com Henrique Capriles e pedirá a Temer posição contrária do Brasil a violações políticas na Venezuela

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, disse hoje que ele e um grupo de senadores do partido pedirão ao presidente em exercício, Michel Temer, um posicionamento do Brasil contra as violações à Constituição na Venezuela, na reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA). Marcada para semana que vem, a assembleia da OEA discutirá sanções ao governo de Nicolás Maduro.

Aécio se reuniu, nesta terça-feira (14/6), no Senado, com o líder da oposição na Venezuela Henrique Capriles.

“O que nós queremos para a Venezuela é o que nós queremos para o Brasil: respeito à Constituição. Quando se fala em democracia e em respeito aos direitos humanos não existem fronteiras. Eu vou tomar a iniciativa de solicitar, ainda hoje, um encontro com o presidente Michel Temer para este grupo de senadores, para que a posição do Brasil, na reunião da próxima semana da OEA, seja diametralmente oposta à omissão, a meu ver criminosa, com que o Brasil conduziu sua política externa em relação à Venezuela nos últimos anos”, afirmou o senador Aécio em entrevista à imprensa.

Assista

Congresso deve ter foco nas reformas para Brasil superar recessão, diz Aécio

“Não podemos esquecer que existe, além de toda essa crise, um país real, com o desemprego ainda crescendo, com as empresas desestimuladas a investir, com um conjunto de dificuldades no campo social porque os programas de transferência de renda, dentre outros, não alcançam mais os objetivos que alcançavam no passado. Nosso foco, enquanto congressistas, é votar o mais rapidamente possível uma agenda de reformas que sinalize a retomada do crescimento, a retomada da geração de empregos. Essa é a nossa responsabilidade”, afirmou o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, ao defender hoje (07), em Brasília, urgência na votação pelo Congresso de medidas que estimulem o país a superar a recessão econômica.

Aécio defendeu as investigações em curso, mas disse que elas cabem ao MP e ao Poder Judiciário.

“De tudo isso que estamos assistindo no Brasil, há um ponto extremamente positivo: a solidez das nossas instituições, o trabalho que vem sendo exercido pelo Judiciário, pelo Ministério Público e pelo próprio Congresso Nacional, tocando a vida, ajudando a construir uma agenda importante para o Brasil”, afirmou.

Assista:

Aécio destaca aprovação de projeto de lei que aumenta pena para condenados por estupro coletivo

Aecio.Neves - Anastasia

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, destacou, nesta terça-feira (31/5), a aprovação pelo Senado, do projeto de lei nº 618/2015 que altera o Código Penal e aumenta em até 2/3 a pena para condenados por estupro coletivo.

Aprovado por unanimidade e encaminhado para a Câmara dos Deputados, o projeto ainda tipifica como crime a divulgação de imagens que contenham cenas de estupro.

Aécio Neves afirmou que o Senado deu uma resposta rápida para a sociedade indignada com o recente caso divulgado de uma jovem de 16 anos, que, segundo a Polícia do Rio de Janeiro, foi vítima de estupro coletivo. Ele também cumprimentou a autora do projeto, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM), e a relatora, senadora Simone Tebet (PMDB-MS).

“É algo extremamente oportuno. Eu sempre considerei que vários dos crimes que crescem hoje no Brasil crescem em razão da sensação de impunidade, que grassa na sociedade brasileira. E nesses casos específicos, certamente, a elevação da pena poderá ser um desestímulo a esses criminosos. O número de mulheres, muitas vezes de meninas que são vítimas desse crime e que acabam por não denunciá-lo, faz com que, mais do que quaisquer outros crimes, nesse especificamente, as estatísticas escondam grande parte dessa vergonhosa realidade do Brasil de hoje”, ressaltou o senador Aécio Neves.

Assista:

Confira também: Aloysio Nunes na liderança do governo no Senado reforça compromisso do PSDB com o país, ressalta Aécio Neves

Cemig eleva jetons para R$ 14 mil e turbina mais salários de secretários de Fernando Pimentel

Man Carrying Large Money Bag --- Image by © Images.com/CorbisReajuste foi aprovado às vésperas do envio de reforma administrativa com economia zero; coincidência mostra que redução de gastos não é a prioridade do governo

Em meio a uma grave crise financeira, com as contas públicas no vermelho e com parcelamento de salários, o governo de Minas continua a inflar os gastos para pagamento de jetons a membros de conselhos das empresas públicas do Estado. Na Cemig, a remuneração dos conselheiros teve novo aumento e chegou a R$ 14,3 mil por mês. É o segundo reajuste promovido pela gestão petista de Fernando Pimentel, o que representa uma alta de 100% nos valores dos jetons na comparação com 2014.

O novo aumento foi aprovado em assembleia geral dos acionistas da Cemig no último dia 29 de abril, dias antes do envio da reforma administrativa, que chegou ao Parlamento no final desta terça-feira (03/5). Os documentos só se tornaram públicos nesta quarta-feira (04/5) e ainda estão sendo avaliados pela oposição, mas de acordo com declarações de integrantes do próprio governo, a prometida reforma não trará nenhuma economia, contrariando as afirmações de Pimentel de que o enxugamento na máquina iria resultar em cortes de R$1 bilhão. Continuar lendo