Congresso deve ter foco nas reformas para Brasil superar recessão, diz Aécio

“Não podemos esquecer que existe, além de toda essa crise, um país real, com o desemprego ainda crescendo, com as empresas desestimuladas a investir, com um conjunto de dificuldades no campo social porque os programas de transferência de renda, dentre outros, não alcançam mais os objetivos que alcançavam no passado. Nosso foco, enquanto congressistas, é votar o mais rapidamente possível uma agenda de reformas que sinalize a retomada do crescimento, a retomada da geração de empregos. Essa é a nossa responsabilidade”, afirmou o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, ao defender hoje (07), em Brasília, urgência na votação pelo Congresso de medidas que estimulem o país a superar a recessão econômica.

Aécio defendeu as investigações em curso, mas disse que elas cabem ao MP e ao Poder Judiciário.

“De tudo isso que estamos assistindo no Brasil, há um ponto extremamente positivo: a solidez das nossas instituições, o trabalho que vem sendo exercido pelo Judiciário, pelo Ministério Público e pelo próprio Congresso Nacional, tocando a vida, ajudando a construir uma agenda importante para o Brasil”, afirmou.

Assista:

Aécio destaca aprovação de projeto de lei que aumenta pena para condenados por estupro coletivo

Aecio.Neves - Anastasia

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, destacou, nesta terça-feira (31/5), a aprovação pelo Senado, do projeto de lei nº 618/2015 que altera o Código Penal e aumenta em até 2/3 a pena para condenados por estupro coletivo.

Aprovado por unanimidade e encaminhado para a Câmara dos Deputados, o projeto ainda tipifica como crime a divulgação de imagens que contenham cenas de estupro.

Aécio Neves afirmou que o Senado deu uma resposta rápida para a sociedade indignada com o recente caso divulgado de uma jovem de 16 anos, que, segundo a Polícia do Rio de Janeiro, foi vítima de estupro coletivo. Ele também cumprimentou a autora do projeto, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM), e a relatora, senadora Simone Tebet (PMDB-MS).

“É algo extremamente oportuno. Eu sempre considerei que vários dos crimes que crescem hoje no Brasil crescem em razão da sensação de impunidade, que grassa na sociedade brasileira. E nesses casos específicos, certamente, a elevação da pena poderá ser um desestímulo a esses criminosos. O número de mulheres, muitas vezes de meninas que são vítimas desse crime e que acabam por não denunciá-lo, faz com que, mais do que quaisquer outros crimes, nesse especificamente, as estatísticas escondam grande parte dessa vergonhosa realidade do Brasil de hoje”, ressaltou o senador Aécio Neves.

Assista:

Confira também: Aloysio Nunes na liderança do governo no Senado reforça compromisso do PSDB com o país, ressalta Aécio Neves

PSDB lança documento com contribuições ao governo Temer

“Essa é a contribuição efetiva que o PSDB pretende dar a esse governo de emergência nacional, a esse governo de transição. Falamos de princípios, falamos de valores e de propostas. O presidente Michel Temer deve ter absoluta liberdade para construir e apresentar à nação um governo de altíssimo nível, capaz de enfrentar as enormes dificuldades que o Brasil tem hoje”, afirmou o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, ao apresentar o documento do partido com contribuições ao governo do vice-presidente, se confirmado o impeachment de Dilma Rousseff.

A carta “Princípios e Valores para um novo Brasil” reúne propostas aprovadas pelos governadores, pelas bancadas do PSDB no Congresso e pelos integrantes da Executiva nacional do partido, todos reunidos em Brasília, na manhã de hoje (03/05).

Em entrevista coletiva, Aécio anunciou também a decisão conjunta do partido de não indicação de nomes para ministérios e cargos federais, e disse que novo governo precisa ter compromissos com uma agenda voltada para o fortalecimento do país e a retomada da geração de empregos.

“Há uma preocupação em relação à capacidade de termos um governo que possa ter a liderança que o Brasil aguarda. Queremos num segundo momento ter uma conversa com o governo Temer, com a área econômica em torno da questão federativa, em torno de medidas que possibilitem a aprovação de reformas que sinalizem para retomada do crescimento do emprego no país”, afirmou Aécio.

Leia íntegra do documento

Assista

PSDB apresenta carta que selará apoio a Temer

Nova agenda para o Brasil é prioridade para o PSDB

Aécio em reunião com Temer reafirma compromisso do PSDB com agenda para o Brasil

aecio.neves.

“O apoio do PSDB não está vinculado nem de longe a qualquer ocupação de espaço público, a qualquer cargo. Não vamos entrar nesse tipo de negociação. Nosso compromisso é ajudar o Brasil”, diz Aécio

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, recebeu, na manhã desta quarta-feira (27/04), em sua residência, em Brasília, o vice-presidente da República, Michel Temer, para discutir a contribuição que o partido dará ao novo governo, se confirmado o afastamento da presidente Dilma Rousseff.

No encontro, realizado a pedido de Temer, Aécio reafirmou que o PSDB prepara um conjunto de propostas que será discutido semana que vem pela Executiva nacional do partido e depois apresentado publicamente.

“Recebi a visita do vice-presidente Michel Temer. Uma visita de cortesia, reiterando sua intenção de ampliar as conversas com o PSDB e fazê-las como deve ser feito, institucionalmente. Foi uma conversa preliminar. Disse a ele que o PSDB, na terça-feira, apresentará ao país a síntese dessas medidas que, do nosso ponto de vista, são as emergenciais. Foi essa a conversa e, obviamente, vamos ter outras após a definição desses pontos que serão submetidos à Executiva Nacional do partido”, afirmou Aécio Neves. Continuar lendo

Aécio defende respeito à Constituição e serenidade no debate sobre impeachment de Dilma

“Quem está com apoio amplo da sociedade brasileira caminhando para interromper o mandato da atual presidente da República é o conjunto do Congresso Nacional em sua ampla maioria”, afirmou o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, ao responder ataques feitos por dirigentes do PT às bancadas da oposição no Congresso Nacional.

Em entrevista coletiva, Aécio pediu serenidade ao PT durante o debate sobre o pedido de impeachment da presidente da República, que começa a tramitar esta semana no Senado.

“É hora de absoluta serenidade. Nada vai nos tirar do nosso prumo, da nossa estratégia de agir com respeito à Constituição”, afirmou Aécio.

Assista

 

Aécio pede agilidade ao Senado no julgamento do processo de impeachment

“O Brasil não pode ficar parado em um hiato, paralisado por mais esse período”, afirmou hoje (19/04) o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, ao defender agilidade nos procedimentos de instalação e nos trabalhos da Comissão Especial do Senado que julgará a aceitação do pedido de impeachment da presidente da República, aprovado pela Câmara dos Deputados no último domingo (17/04).

Em entrevista coletiva após reunião com líderes dos partidos, Aécio Neves disse que as oposições trabalham para votar o pedido do impeachment em plenário até 10 de maio e falou que a reforma política, com a redução do número de partidos no país, foi um dos temas da reunião com o vice-presidente Michel Temer, ontem, em São Paulo.

“O Senado tem um número excessivo de partidos políticos e eu disse ontem ao vice-presidente da República que, se assumir a Presidência da República, uma das questões essenciais a ser enfrentadas na largada do seu eventual governo é apresentar uma proposta de reforma política que restabeleça a cláusula de barreira. Não é possível você administrar o Brasil, com a complexidade das decisões que temos que tomar, com 25 partidos na Câmara e esse também número excessivo de partidos no Senado Federal”, afirmou Aécio.

Assista:
PSDB cobra agilidade no andamento do processo de impeachment

Reforma política

 

Afastamento de Dilma é consenso na sociedade, avalia Aécio

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, disse hoje (14/03), em entrevista, que, aprovado, neste domingo, o pedido de impeachment de Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados, ela terá pleno direito de defesa também no Senado Federal, que terá palavra final sobre o afastamento da presidente.

Após reunião esta manhã, em Brasília, com juristas defensores do impeachment, Aécio Neves destacou que os partidos de oposição têm responsabilidade para com o país e trabalharão para apresentar propostas de reformas para o novo governo, aprovado o impeachment de Dilma. Ele destacou que o afastamento da presidente é hoje um consenso em toda sociedade.

“Se ela, hoje, corre risco – e um risco real – de ser afastada do cargo, é porque esse consenso atingiu sua própria base de sustentação. Vários daqueles que a acompanharam até agora estão percebendo que não é mais possível manter este governo”, afirmou Aécio. E acrescentou: “Se um crime é cometido, e se o ambiente político se cristaliza no sentido de que é preciso haver a substituição, os ingredientes estão colocados e acredito que, a partir de domingo, a Câmara dos Deputados entregará ao Senado Federal a responsabilidade de julgar a presidente da República. Faremos isso com serenidade, com base nos autos, com amplíssimo direito de defesa oferecido à presidente da República e aos seus representantes”, afirmou.