Aprovado projeto de Anastasia que regulamenta negociação coletiva na administração pública

antonio-anastasia-fazendo-justica

A Comissão Especial de Desenvolvimento Nacional do Senado Federal aprovou por unanimidade em caráter terminativo nesta quarta-feira (11/11) o Projeto de Lei do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) que estabelece as normas gerais para a negociação coletiva na administração pública direta, nas autarquias e fundações públicas dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Trata-se de uma antiga reivindicação das entidades sindicais.

“Essa é uma medida indispensável à modernização e a evolução das relações entre o Estado e seus servidores. A proposta quer abrir uma nova era nessas relações na qual prevaleça efetivamente o diálogo, a transparência e o bom senso entre as partes, de forma a evitar grandes embates desnecessários e prejuízos para servidores, o Estado e a população”, afirmou Anastasia ao defender seu projeto. Continuar lendo

Bancada do PSDB avalia defesa de Eduardo Cunha como inconsistente e pede afastamento do presidente

sampaio.carlos - CopiaO PSDB formalizou, nesta quarta-feira (11), posição favorável ao afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do comando da Casa. Ao lado de vários deputados da bancada, o líder do partido, Carlos Sampaio (SP), disse que a decisão foi tomada diante da contundência dos atos que pesam contra o parlamentar e da inconsistência da defesa feita por ele sobre a descoberta de contas até então secretas, mantidas na Suíça. “A defesa é inconsistente e não pode ser pautada apenas em alegações”, apontou Sampaio, durante entrevista coletiva.

No dia 3 de novembro, o Conselho de Ética da Câmara abriu processo contra Cunha por quebra de decoro parlamentar com base em pedido apresentado pelo PSOL e pela Rede, em outubro. Segundo a denúncia, o presidente da Câmara teria mentido na CPI da Petrobras, ao dizer que não possuía contas no exterior. O parlamentar também foi denunciado pela Procuradoria Geral da República sob a acusação de participação no Petrolão, de onde, supostamente, teria saído o dinheiro depositado na conta suíça. Continuar lendo

Governo de Minas tira Portal da Transparência do ar sem qualquer explicação para a sociedade

prodemg

Responsável pela administração do site, a Prodemge diz não ter previsão de retorno; estatal escondeu também aumento de 50% no salário de seus diretores

A transparência pública do governo de Fernando Pimentel, do PT, está novamente fora do ar. Depois de esconder as notícias das administrações anteriores publicadas na Agência Minas e de tirar do ar o site “Copasa Transparente”, agora a gestão petista tirou do ar, sem nenhuma explicação à socieade, o Portal da Transparência do Estado de Minas Gerais, conforme pode ser visto no print acima. A denúncia foi publicada na coluna EXPRESSO, da revista ÉPOCA.

O titular da coluna, jornalista Murilo Ramos, informa que, ao buscar explicações sobre o apagão do portal junto à Prodemge, a estatal responsável pela administração do site, as respostas foram evasivas e nada transparentes. “Disseram não haver previsão sobre o retorno nem explicaram as razões que levaram o portal a realizar manutenção. O site, quando funciona, reúne, por exemplo, informações sobre gastos do governo e relação de servidores do Estado”, afirma nota publicada na ÉPOCA.

Mas não é apenas o site administrado pela Prodemge que está sem transparência. A partir de setembro, sem dar nenhuma publicidade ao fato, a mesma Prodemge aumentou em mais de 50% os salários de seus diretores. Os salários saltaram de R$ 11,5 mil para R$ 18,7 mil. O vencimento do presidente, que era de R$ 13,8 mil, passou para R$ 19,7 mil. A informação foi revelada pela coluna A.parte, do jornal “O Tempo”, na edição desta quarta-feira (11/11). Continuar lendo

O PT quer acabar com o país

itv-logo534

A história que os petistas agora tentam reescrever é inescapável: nos últimos 13 anos, o Brasil foi tomado de assalto por uma organização criminosa como nunca antes no país. O partido precisa, sim, ser dizimado. Mas não é por golpes, estratagemas ou armações. Será nos tribunais, nas cadeias e nas urnas. Porque o Brasil não merece o PT e o PT não merece continuar ainda mais tempo à frente do Brasil. Continuar lendo