Para líder do PSDB na Câmara, reforma é atrasada e pífia diante da gravidade da crise

carlos-sampaio-agencia-camara

Para o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP) (foto), a reforma administrativa é atrasada e pífia diante da gravidade da crise econômica e revela também que o objetivo principal da presidente Dilma Rousseff é tentar salvar o seu mandato e aprovar o pacote de arrocho fiscal contra a sociedade.

Segundo ele, o governo anunciou semanas atrás que seriam cortados 10 dos 39 ministérios, e, no final das contas, cortou oito. Anunciou que vai cortar cargos comissionados e despesas de custeio, mas não disse qual será a economia total, quando e de que forma isso será feito. Continuar lendo

Com mobilização da sociedade, CGU sobrevive à tentativa de desmonte proposta por Dilma

CGUA pressão da sociedade garantiu a sobrevivência da Controladoria-Geral da União (CGU) na reforma ministerial anunciada pela presidente Dilma nesta sexta-feira (02/10). A petista considerou tirar o status de ministério do órgão e distribuir suas funções para outras pastas, notícia que gerou indignação entre a sociedade e parlamentares da oposição.

Nesta semana, o líder do PSDB na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), discursou em defesa da CGU. Cogitar o fim do órgão foi mais uma das incoerências de Dilma, destacou o líder. Na Assembleia-Geral da ONU, a petista afirmou que o governo não tolera corrupção. Na volta, em vez de adotar propostas de combate ao problema, ela sugere acabar com a CGU, justamente a entidade que aponta fraudes e irregularidades no governo.

“Essa é a lógica do PT, essa é a lógica da presidente Dilma. Uma contradição constante, uma falta de transparência exorbitante, uma falta de eficiência na gestão, gritante, que todos nós estamos vendo”, ressaltou Sampaio. Continuar lendo

PSDB protocola petição para apurar relação entre doações à campanha de Dilma e contratos da Petrobras

PSDB-a-favor-do-Brasil

O PSDB protocolou, nesta quinta-feira (01/10), uma petição no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para comprovar, no processo de cassação do diploma da presidente Dilma Rousseff, as doações da empreiteira UTC à campanha da petista e o recebimento de valores dos contratos que a empresa detém na Petrobras. A petição pede que os laudos da Polícia Federal sejam inclusos como provas na ação de investigação judicial eleitoral em que o PSDB pede a cassação de Dilma Rousseff.

As informações foram divulgadas por reportagem desta quinta-feira (1/10) do jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com a publicação, a Polícia Federal interceptou mensagens enviadas por celular no final de julho de 2014, entre o dono da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, e um executivo do grupo. Em um dos trechos analisados pela PF, o executivo sugere que repasses da empreiteira à campanha eleitoral do PT foram “resgatados” de dinheiro desviado da Petrobras. Continuar lendo