Secretário de Pimentel confirma que governo não vai pagar Prêmio por Produtividade a servidores estaduais

image

Em entrevista à Rádio Itatiaia nesta quinta-feira (10/09), o Secretário de Estado da Casa Civil de Minas Gerais, Marco Antônio de Rezende Teixeira (foto), afirmou com todas as letras que o governo não pagará o Prêmio por Produtividade devido aos servidores estaduais. E ainda desdenhou daqueles que ameaçam entrar na Justiça para receber o benefício a que têm direito. “Se eles entrarem na Justiça, que a Justiça que diga porque não há essa possibilidade. É impossível. Não tem como atender”, afirmou o secretário petista.

Marco Antônio Teixeira foi além e, como já está se tornando uma tônica da administração petista, fez ameaças. “Acho que esses servidores devem olhar em volta, a situação do Rio Grande do Sul como é que está”, afirmou, fazendo uma alusão ao fato de o governo gaúcho estar dividindo em parcelas os salários de seus servidores. O que o secretário convenientemente esqueceu de dizer é que a situação de penúria do governo gaúcho foi herdada da gestão anterior, comandada pelo petista Tarso Genro. Continuar lendo

Aécio diz que oposição quer discutir propostas realistas, mas governo Dilma é o responsável por apontar saída para a crise

aecio-bsb-10.9

“Nós, da oposição, não somos e jamais seremos contra o Brasil. Propostas exequíveis, realistas serão analisadas por nós com todo o interesse e boa vontade, mas não podemos – até porque perdemos a eleição – subir a rampa do Palácio do Planalto e começar a governar. Não podemos fazer aquilo que a presidente não vem fazendo”, afirmou Aécio Neves, em entrevista nesta quarta-feira (10/9), ao falar sobre o agravamento da crise brasileira a partir do rebaixamento do país, ontem, pela Standard & Poor’s, uma das três principais agências do mundo de classificação de risco.

O presidente do PSDB disse que os partidos de oposição permanecerão cobrando do governo federal a responsabilidade pela crise econômica, que irá piorar a partir da perda pelo Brasil do selo de bom pagador. Com isso, o país perderá ainda mais investimentos e empregos. Continuar lendo

PF encontra objetos pessoais de Pimentel em prédio onde funciona empresa que recebeu pagamentos suspeitos

PF_Pimentel

O jornal O GLOBO publicou nesta quinta-feira (10/09) mais um capítulo da novela estrelada pelo governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e a consultoria OPR, suspeita de intermediar o recebimento de recursos de caixa dois nas eleições para o governo do Estado do ano passado.

Reportagens publicadas 2013 e 2015 pelo menos R$ 1,6 milhão de pagamentos suspeitos do Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais (Sindiextra) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram) feitos à OPR, nova razão social da P-21, antiga empresa de consultoria do governador petista.

Nova matéria, publicada nesta quinta-feira pelo jornal mostra que, em junho deste ano, durante a segunda etapa da Operação Acrônimo, a Polícia Federal encontrou objetos pessoais de Pimentel durante busca no escritório da OPR na capital mineira.

Para os investigadores, a presença de objetos pessoais do governador mineiro no mesmo prédio onde foi registrada a empresa contradiz a versão até agora apresentada em “notas oficiais’ por Pimentel, de que não teria “conhecimento dos contratos firmados ou trabalhos realizados pela OPR”.

Outras transações suspeitas estão na mira da PF

De acordo com a PF, além do Sintram e do Sindiextra, outras entidades patronais mineiras teriam realizado pagamentos suspeitos à OPR e a empresas sob influência do governador Pimentel e seu antigo sócio, Otílio Prado, que atualmente é assessor da Secretaria de Estado da Fazenda. Outra linha de investigação apura a relação entre repasses do BNDES a empresas que também contrataram firmas de comunicação sob influência da primeira-dama Carolina de Oliveira Pimentel. Na época, Pimentel era ministro da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior, ao qual é vinculado o BNDES.

Durante a Operação Acrônimo, pelo menos outros 19 endereços foram visitados pela Polícia Federal em Minas, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal. Depois da operação, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou a abertura de inquérito para investigar diretamente o governador Pimentel. O inquérito corre sob sigilo e em tribunal superior por causa do foro privilegiado do petista.

Leia abaixo matéria completa do jornal “O Globo” Continuar lendo

O preço da irresponsabilidade, por João Vítor Xavier

Confira abaixo o artigo do deputado estadual João Vítor Xavier, secretário-geral do PSDB-MG:

joao-vitor

O PT quebrou o Brasil. O partido passou 10 anos criticando o Presidente Fernando Henrique Cardoso, mas, hoje, o Brasil começa a ver a importância de um governo que tenha planejamento, credibilidade internacional e responsabilidade fiscal. Às custas de sua popularidade, FHC plantou a base para um país forte, com inflação controlada, economia estável e Lei de Responsabilidade Fiscal.  Continuar lendo

Movimento suprapartidário pró-impeachment de Dilma é lançado com apoio dos movimentos de rua

impeachment

Com a presença maciça da bancada do PSDB na Câmara, um ato suprapartidário marcou nesta quinta-feira (10/9) o lançamento do movimento pelo impeachment da presidente Dilma no Congresso Nacional. PSDB, DEM, PPS, PSC e SD lideram o movimento, que conta com o apoio de parlamentares de diversos outros partidos, inclusive da base do governo. Os parlamentares vão pleitear a abertura de um processo de afastamento de Dilma junto à Presidência da Câmara e contam com a adesão da sociedade para convencer outros congressistas a aderirem à ação.

O líder do PSDB na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), foi um dos porta-vozes do grupo de parlamentares que participou do ato no Salão Verde da Câmara. O tucano disse que a sociedade brasileira não suportará mais três anos de governo Dilma e explicou que há base legal para o impeachment, além desta bandeira ser um clamor social. Pesquisa Datafolha divulgada em agosto mostrou que 66% dos brasileiros defendem a abertura do processo de impeachment contra a petista, que amarga a maior impopularidade entre todos os presidentes avaliados pelo instituto. Continuar lendo

Seguridade Social discutirá vinculação de entidades ao Sistema Único de Assistência Social

eduardo-barbosa-mg

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou requerimento de autoria do deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG) para realização de audiência pública para discutir o VÍNCULO SUAS. O debate ocorrerá no âmbito da Subcomissão Permanente de Assistência Social. Tal vinculação ao Sistema Único de Assistência Social é o reconhecimento pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome de que a entidade de assistência social integra a rede socioassistencial.

O parlamentar justifica que, pela legislação que define o vínculo SUAS, se pode constatar que, além de ser suficiente para a obtenção do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social, fica assegurado financiamento integral pelo Estado dos serviços, programas, projetos e ações de assistência social. Continuar lendo

Campanha de Hélio Costa e Patrus Ananias de 2010 é suspeita de receber dinheiro do Petrolão

Evento de campanha de Hélio Costa/Patrus Ananias em 2010
Evento de campanha de Hélio Costa/Patrus Ananias em 2010

A campanha de Hélio Costa e Patrus Ananias ao governo de Minas, em 2010, pode ser investigada pela Justiça Eleitoral por suspeita de ter recebido dinheiro do esquema de corrupção da Petrobras, o chamado “Petrolão”. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que repasse informações da Operação Lava-Jato à Justiça mineira. Hélio Costa foi citado pelo dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, apontado como chefe de cartel de empreiteiras que atuou no esquema de corrupção da Petrobras.

Antes de se candidatar ao governo de Minas pela chapa PMDB-PT, Hélio Costa foi ministro das Comunicações no governo do ex-presidente Lula. Já seu candidato a vice, Patrus Ananias, foi ministro do Desenvolvimento Social do Governo Lula e atualmente é Ministro do Desenvolvimento Agrário do Governo Dilma Rousseff. Continuar lendo