Aécio vai acabar com o fator previdenciário

Após a reunião com os sindicalistas, Aécio participou como convidado do encerramento do encontro do Coletivo das Mulheres Metalúrgicas de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região
Após a reunião com os sindicalistas, Aécio participou como convidado do encerramento do encontro do Coletivo das Mulheres Metalúrgicas de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, assumiu, nesta sexta-feira (19/09), em São Paulo, o compromisso de buscar alternativas para acabar ao longo dos próximos anos com o fator previdenciário, que é aplicado no cálculo de aposentadorias. Em reunião com sindicalistas, ele se comprometeu a manter diálogo permanente com o movimento sindical durante o governo e garantiu a manutenção da política de valorização do salário mínimo.

“Vamos dialogar. É no diálogo que vamos encontrar caminhos, alternativas que garantam a capacidade de pagamento da Previdência, mas impedindo que o fator [previdenciário] continue a punir de forma tão violenta como vem punindo o salário dos aposentados brasileiros”, afirmou o candidato.

Segundo Aécio, a discussão com os trabalhadores sobre o assunto deverá encontrar uma forma responsável, levando em conta os dados que serão colocados à mesa. “O diálogo começa após a nossa eleição, para que possamos, por etapas, de forma verdadeira, clara, sem enrolação como fez o atual governo, encontrar uma política que substitua o fator previdenciário. Isso é um compromisso pessoal meu, a minha equipe econômica já está mergulhada nessas alternativas e vamos fazer isso com olho no olho do trabalhador”, garantiu o candidato.

Reajustes

O compromisso firmado por Aécio com os sindicalistas – incluindo o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, e o deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade-SP) – prevê a manutenção da política de reajuste do salário mínimo acima da inflação, mas com a perspectiva de elevar os ganhos com a retomada do crescimento. “No nosso governo, em que recuperaremos a capacidade de o Brasil crescer, os reajustes no salário mínimo serão muito mais expressivos do que aqueles que teremos agora”, afirmou Aécio.

Durante a reunião, o candidato afirmou também que pretende rever a forma de reajuste da tabela do Imposto de Renda, uma das principais reivindicações das centrais sindicais, na tentativa de corrigir as faixas salariais obrigadas a pagar o tributo. “Nós vamos garantir pelo IPCA o reajuste da tabela do Imposto de Renda, como já havia dito no dia 1º de Maio, e vamos trabalhar pelos próximos anos para resgatar a defasagem existente”, reafirmou o candidato da Coligação Muda Brasil.

Aécio ressaltou que a gestão do PT se afastou dos trabalhadores. “O atual governo governou de costas para a classe trabalhadora. O nosso governo é o governo da parceria e será o governo da verdade. Nenhum candidato à Presidência da República estabeleceu compromissos tão claros com os trabalhadores e com os aposentados brasileiros, assim como com as mulheres trabalhadoras brasileiras, como estabeleceu a nossa candidatura”, afirmou.

Mulheres

Após a reunião com os sindicalistas, Aécio participou como convidado do encerramento do encontro do Coletivo das Mulheres Metalúrgicas de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região, no Palácio do Trabalhador, do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Acompanhado do governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB), Aécio foi recepcionado com aplausos e palavras de incentivo pelas participantes que lotaram o auditório e recebeu do grupo um documento com reivindicações das trabalhadoras.

Aécio reiterou o compromisso com as mulheres brasileiras de construir 6 mil creches, já que a presidente Dilma Rousseff (PT) não honrou a promessa feita na campanha eleitoral de 2010.

“Vamos construir as 6 mil creches que o atual governo não entregou e vamos ampliar a idade para a permanência das crianças nas creches”, disse. Segundo ele, apesar da promessa, Dilma construiu somente cerca de 400 unidades.

O candidato também garantiu que seu governo vai atuar no combate à violência contra a mulher.

“O governo federal vai apoiar de forma vigorosa todos os Estados brasileiros para que, na área da segurança, nós tenhamos delegacias especializadas [no atendimento à mulher] para que as investigações ocorram e as punições sejam exemplares”, destacou.

Aécio também se comprometeu a levar o todo o país o programa Mulheres de Peito, do governo paulista, que realiza exames preventivos para detectar a eventualidade de câncer de mama.

“E queremos estender isso também a outros tipos de doenças que eventualmente possam ocorrer e que atingem de forma mais específica as mulheres. Nós vamos avançar num programa habitacional focado na mulher. A mulher brasileira, hoje, comanda cerca de 40% dos lares. Vamos ter um programa habitacional focado exatamente nas famílias de mais baixa renda, de até três salários mínimos”, afirmou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s