Minas Gerais firma acordo com Comitê Olímpico Britânico para Jogos Olímpicos de 2016

Minas Gerais sai na frente e é o primeiro no Brasil a ser escolhido para receber uma delegação que participará das Olimpíadas. Foto Omar Freire / Imprensa MG
Minas Gerais sai na frente e é o primeiro no Brasil a ser escolhido para receber uma delegação que participará das Olimpíadas. Foto Omar Freire / Imprensa MG

Minas Gerais é o primeiro estado do Brasil a ser escolhido por uma delegação esportiva como local de preparação para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Nesta quarta-feira (16/10), o governador Antonio Anastasia assinou, no Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, protocolo de intenções com a British Olympic Association (BOA) – Comitê Olímpico Britânico – para que as equipes olímpicas da Grã-Bretanha possam se preparar em Minas Gerais para as duas competições.

“É um grande prazer receber, aqui na capital de nosso Estado, a delegação britânica, que escolheu Belo Horizonte para fazer seus preparativos para as Olimpíadas de 2016. É o primeiro comitê internacional que faz a escolha de um local no Brasil para os Jogos Olímpicos. Isso demonstra o bom planejamento britânico. Temos a honra de sermos escolhidos pela delegação do último país sede, que acabou de apresentar ao mundo uma belíssima Olimpíada em 2012, em Londres. Passamos por uma seleção rigorosa e apurada e, além de nos orgulhar, isso aumenta a nossa responsabilidade”, destacou o governador Anastasia. Continuar lendo

Presidente Dilma deixa de governar para entregar obras inacabadas, critica deputado

Dep.Antonio Imbassay (PSDB-BA)
Dep.Antonio Imbassahy (PSDB-BA)

O deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA) criticou a presidente Dilma Rousseff pelas inúmeras viagens realizadas sob o pretexto de inaugurar obras, muitas delas inacabadas. Neste ano pré-eleitoral, a petista passou 51 dias em deslocamentos pelo país, marca 13% acima do mesmo período de 2011 e 34% a mais que em 2012. Para o tucano, saiu de cena a presidente da República para dar lugar à pré-candidata à reeleição em plena campanha, enquanto os brasileiros esperam por melhorias que não chegam.

O parlamentar afirma que enquanto o governo não consegue tirar do papel as importantes obras anunciadas com muito marketing, como as rodovias, ferrovias e a transposição do São Francisco, Dilma escolhe ficar “para cima e para baixo inaugurando obras inacabadas, como foi o caso de Vitória da Conquista”. Ouça entrevista

Leia matéria completa no Diário Tucano

Aécio: casas sem água e luz entregues à população mostram que Dilma age apenas como candidata

Senador Aécio Neves durante coletiva em Brasília. Foto George Gianni
Senador Aécio Neves durante coletiva em Brasília. Foto George Gianni

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou, nesta quarta-feira (16/10), em Brasília, que a entrega feita pela presidente Dilma Rousseff de casas sem água e energia elétrica comprovam a agenda de candidata às eleições que ela vem cumprindo em viagens pelo país.  A presidente Dilma entregou ontem 1.362 casas do programa “Minha Casa Minha Vida”, em Vitória da Conquista (BA), sem sequer energia elétrica. Os novos moradores passam as noites à luz de velas e sem água encanada.

“É triste para um país como o Brasil. Não temos uma presidente com a agenda de presidente da República. Temos uma candidata no lugar da presidente. As suas movimentações são todas na busca de um segundo mandato. A grande pergunta que tem de ser feita é: para quê um segundo mandato? Para eternizar os amigos no poder? E o Brasil? O Brasil está ficando no final da fila. Temos uma candidata a presidente em campanha permanentemente. O resultado para o Brasil é muito ruim”, disse Aécio Neves, em entrevista.

Apesar do atraso e paralisação de obras importantes, como a transposição do rio São Franscisco, a rodovia Transnordestina e a duplicação de rodovias federais, como a BR 381, a presidente Dilma e pré-candidata à reeleição passou este ano 51 dias viajando pelo país sem explicar a interrupção das obras e as denúncias de irregularidades. O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou mais de 700 tipos em irregularidades em 191 obras federais. As principais delas, superfaturamento de preços e erros nos projetos.

O senador Aécio Neves disse que não existe mais confiança em relação à capacidade do atual governo de reerguer a economia e retomar os investimentos no país.

“Não há mais confiança em relação à capacidade do governo de criar infraestrutura necessária para a retomada do crescimento. Acabo de chegar de um grande evento internacional e a percepção dos investidores, que são essenciais para o Brasil retomar o crescimento, é a pior possível. Não há mais confiança em relação a investimentos, não há segurança jurídica para se investir no Brasil. As próprias políticas sociais que foram o grande carro chefe do governo do PT mostraram também esgotamento. Até o analfabetismo voltou a crescer no Brasil”, afirmou.

Nova agenda para o Brasil

Em reunião, nesta quarta-feira, com a bancada do PSDB no Congresso, Aécio Neves disse que o partido está mobilizado na construção de novas propostas de avanço para o país.

“O PSDB tem uma proposta clara para o Brasil, da retomada do crescimento, da geração de empregos, da reinserção das empresas brasileiras nas cadeias globais de produção, dos avanços nas políticas sociais. Essa é a cara do PSDB. Esse ciclo de governo do PT encerrou-se e é muito importante que o PSDB se posicione com absoluta clareza para apresentar uma nova agenda. Essa nova agenda passa pelo crescimento, pelo avanço dos programas sociais e pela reinserção do Brasil no mundo”, disse o presidente nacional do partido.

Leia entrevista de Aécio Neves sobre economia, Marina Silva, obras inacabadas, reunião do PSDB

Entrevista do senador Aécio Neves, presidente do PSDB, em Brasília, nesta quarta-feira (16/10)

Assuntos: Pilares econômicos, governo de cooptação, Marina Silva, obras inacabadas da presidente Dilma, reunião do PSDB.

Sobre declarações dadas pela ex-ministra Marina Silva

A avaliação de Marina Silva sobre o tripé macroeconômico é aquilo que o PSDB historicamente vem pregando. A flexibilização dos pilares macroeconômicos é uma das razões do baixo crescimento da economia hoje. Há um retrocesso na condução da política econômica, e o PSDB tem dito isso de forma incessante ao longo de todos esses últimos anos, inclusive alertando o país para isso.

Vejo que há uma aproximação do discurso da Marina com aquilo que o PSDB vem pregando. E no Congresso, da mesma forma. Aquilo que se intitulou chamar de governo de coalizão, nada mais é que um governo de cooptação, onde os partidos políticos barganham e servem apenas a um projeto de poder.

O PT abriu mão há muito tempo de um projeto de país para se contentar, única e exclusivamente, com um projeto de poder. Isso está muito claro. Tenho certeza que uma eventual candidatura do PSB nasce exatamente por essa visão muito semelhante à nossa, de que esse ciclo de governo do PT, em beneficio do Brasil, tem que ser encerrado. A presidente se submeteu, sim, às piores práticas aqui no Congresso.
Continuar lendo

A escolinha da doutora Dilma

Leia coluna do jornalista Elio Gaspari

Desqualificando os outros, ela pode acabar colocando Ismael Silva no lugar de patrono de sua campanha

A doutora Dilma entrou pela borda no debate da própria sucessão, mandando um recado às pessoas que pretendem ocupar sua cadeira: “Elas têm que estudar muito.”

É o velho discurso da competência. Quem está no governo desqualifica quem não está sob o argumento do eu-sei-do-que-estou-falando. Foi usado à exaustão para desqualificar um torneiro mecânico monoglota, mal relacionado com a gramática, cuja biblioteca cabia numa mochila escolar. É a ele que a doutora deve a presidência.

Todos os governos prometem coisas que não cumprem ou metem-se em projetos fracassados. Até aí, tudo bem. O que a doutora não precisa é recorrer à desqualificação como a lavanda mistificadora. Se é assim, conviria arrolar dois temas que os candidatos deveriam estudar. Tendo sido insuficiente o estudo da doutora, poderiam desatar os seguintes nós:

1) Trem-bala

Trata-se de um projeto que desde 2007 está debaixo da asa da então chefe do Gabinete Civil. Já torrou R$ 65 milhões em planos, leilões adiados e modelagens arquivadas. A primeira estatal a tratar do projeto foi a Valec. Seu presidente, Doutor Juquinha, deixou o cargo e passou pelo cárcere por conta de outros malfeitos.

2) Enem

Em 2009, quando o ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou a criação de um exame federal que substituiria o vestibular, o coração da iniciativa estava em oferecer aos jovens dois exames anuais. Isso acabaria com uma seleção selvagem que obriga um garoto de 18 anos a jogar um ano de sua vida numa manhã de prova. A cada ano a promessa foi descumprida e renovada, inclusive pela doutora Dilma. Haddad foi ser poste em São Paulo, Lula elegeu-o prefeito e seu substituto, Aloizio Mercadante, disse que prefere fazer creches. Tem até o ano que vem para dizer quantas creches fez e explicar por que dois presidentes da República prometeram algo que não entregaram.

Objeto desconhecido Continuar lendo

Candidata em tempo integral: Dilma multiplica viagens e entrega casas sem água e luz

Vale tudo para a candidata Dilma Rousseff nesse ano pré-eleitoral. Sem obras para entregar, pois as principais obras seu governo não consegue tirar do papel, sua equipe de marketing programa agendas repetidas e entrega de moradias sem água e energia elétrica, conforme mostra reportagem publicada nesta quarta-feira (16/10), no jornal Folha de S.Paulo. Leia matéria abaixo:

Dilma multiplica viagens e entrega casas sem água e luz

Presidente passou 51 dias do ano em deslocamentos pelo país, recorde da gestão

Governo dá prioridade a obras de moradias, formaturas de escolas técnicas e distribuição de máquinas a prefeitos

Neste ano pré-eleitoral, a presidente Dilma Rousseff ampliou o ritmo de viagens nacionais, com agendas repetidas e entrega de moradias sem água e energia elétrica.

De janeiro a ontem, quando visitou duas cidades baianas, a pré-candidata à reeleição passou 51 dias em deslocamentos pelo país, marca 13% acima do mesmo período de 2011 e 34% ante 2012.

Sem obras de impacto para entregar, já que vitrines como ferrovias e transposição do rio São Francisco seguem longe das metas iniciais, ela tem focado as cerimônias de viagens em ações de alcance local. Participou este ano de 11 eventos para entregar retroescavadeiras e outras máquinas a prefeitos.

Desde julho, também nas visitas aos Estados, intensificou as agendas relacionadas à formatura de alunos do Pronatec, programa de ensino profissionalizante do governo que é vendido como “porta de saída” do Bolsa Família, por oferecer cursos aos beneficiários do programa.

Já foram seis eventos desse tipo em 2013, como em Ceará-Mirim (RN), neste mês.

As inaugurações de unidades habitacionais de programas federais também ocupam posição privilegiada e já contaram com a presença de Dilma sete vezes neste ano.

Foi assim ontem, em Vitória da Conquista (BA), quando participou de evento para entrega de 1.740 unidades do Minha Casa Minha Vida. Parte delas, porém, mesmo já com os novos moradores, segue sem luz e água encanada. Continuar lendo