Anastasia assina convênio do ProMunicípio para melhoria de infraestrutura em Sacramento

Anastasia assina convênio com a Prefeitura Municipal de Sacramento. Foto Osvaldo Afonso/Imprensa MG
Anastasia assina convênio com a Prefeitura Municipal de Sacramento. Foto Osvaldo Afonso/Imprensa MG

Foi com festa que o governador Antonio Anastasia foi recebido nesta sexta-feira (06/09) em Sacramento, no Alto Paranaíba. Em visita à cidade o governador anunciou a destinação de R$ 700 mil para a construção de pontes para ligar a cidade a diversas comunidades rurais. O convênio com a prefeitura municipal vai garantir transporte de insumos e da produção agropecuária, além de mais segurança aos veículos, inclusive do transporte escolar. Com as obras o município ainda poderá reduzir o custo com manutenção de pontes.

Ao todo serão construídas trezes ponte. A prefeitura entrará com contrapartida de R$ 79 mil. As obras fazem parte do ProMunicípio, programa que vai atender todos os 853 municípios mineiros. Em Sacramento, a instalação de pontes mistas de concreto e vigas metálicas irá beneficiar as localidades de Desemboque, Sobubo, Santa Bárbara, Quinta do Sol, Cachoeirinha, Cafundó e Pintos, que juntas têm cerca de 4 mil habitantes. As obras devem começar em novembro.Objeto desconhecido Continuar lendo

Com apoio da CUT, PT usa juventude como massa de manobra para abafar manifestações no Dia da Pátria

Dep.João Leite (PSDB)
Dep.João Leite (PSDB)

Antevendo ser, mais uma vez, o principal alvo das manifestações previstas para acontecerem amanhã, em decorrência das comemorações do Sete de Setembro, o governo federal do PT está articulando uma grande manobra. O partido vai ocupar as ruas com a desculpa de lutar pela juventude para impedir que as verdadeiras reivindicações contra o governo ganhem mais força e ocupem os noticiários novamente.

Na verdade, o que está sendo feito é uma tentativa de calar a juventude. O governo, conforme informou o deputado João Leite (PSDB), convoca as lideranças dos movimentos sociais que lhe são servis a também irem para as ruas, com supostas reivindicações, de forma a concorrerem nas atenções da cobertura da mídia e da audiência dos brasileiros.

“Ao colocar na rua a sua claque, o Governo Federal procura contaminar e descaracterizar o que surgiu de melhor das ruas, o desejo de mudança, de uma gestão pública verdadeiramente baseada na eficiência e na moralidade, de um Brasil para todos e não para os companheiros”, afirmou João Leite. Segundo ele, a genuinidade e a legitimidade desse movimento que levou milhões às ruas estão exatamente no fato de ser apartidário e desvinculado de instituições.

Ação partidária

Dep.Rômulo Viegas (PSDB)
Dep.Rômulo Viegas (PSDB)

Para o deputado Rômulo Viegas (PSDB), é lamentável que lideranças do PT queriam distorcer o verdadeiro sentido das manifestações no país. Lamentavelmente integrantes da cúpula da CUT, com fortes ligações partidárias junto ao PT, querem transformar um movimento espontâneo do povo revoltado com a classe política, em um movimento partidário a favor do Governo Federal. O que eles querem, na verdade, é instalar o totalitarismo”.

O deputado João Leite lembrou que as manifestações populares, ocorridas em junho e julho, mostraram como a democracia brasileira está carente de ser realmente representativa e que o modelo de gestão do país baseado no populismo e na demagogia já se esgotou. “As reivindicações fizeram os índices de popularidade da presidente cairem à metade, obrigando governantes a descontingenciarem recursos financeiros para aplacar a ira reivindicatória”, criticou o parlamentar.

Fonte: Minas Transparente

Abismo entre prometido na campanha e cumprido mostra que governo vive no mundo da fantasia

Um governo distante da realidade, que recorre ao marketing para tentar maquiar o fracasso no cumprimento de metas e promessas de campanha. É dessa forma que deputados do PSDB avaliam o pífio desempenho de Dilma para tirar do papel ações e obras apontadas como prioridade. Nesta semana, durante o lançamento do Portal Social do Brasil, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), enumerou várias dessas metas que ficaram apenas no papel, como construção de unidades de pronto atendimento e de creches (veja detalhes abaixo). Os números destacados foram obtidos em base de dados oficial.

“Nós vivemos em dois Brasis. Um real, que é este mostrado por Aécio: o das promessas não cumpridas. E num outro comandado pelo mago da comunicação João Santana, que passa para a população um cenário maravilhoso. Portanto, ele quer, das 6 mil creches prometidas, 10 ou 20 para poder ter imagem, fazer a sua peça publicitária e vender para o restante da nação a ideia de que tudo está sendo feito. O papel de um partido de oposição como o PSDB é exatamente denunciar estas incongruências”, observou o deputado Vaz de Lima (PSDB-SP). Para o tucano, o que se vê é um país fictício montado em laboratório pelo marqueteiro oficial.   Continuar lendo

Ineficiência do governo federal do PT: Saúde investiu apenas 26,2% do orçado para 2013

Publicado no site da ONG Contas Abertas – 06/09/13

O programa Mais Médicos, aposta do governo federal para melhorar os atendimentos no interior e nas periferias, ainda não possui uma semana de implementação, mas já apresenta diversos problemas. Entre os fatos que marcaram o começo dos trabalhos médicos em todo o país estão reclamações em relação à infraestrutura disponível para o exercício pleno da profissão.

Apesar das deficiências, o Ministério da Saúde investiu apenas 26,2% do total de R$ 10 bilhões disponíveis para a compra de equipamentos e realização de obras até agosto de 2013. O percentual equivale a R$ 2,6 bilhões, que inclui o valor de R$ 1,9 bilhão pago em restos a pagar, ou seja, compromissos de anos anteriores, mas só pagos no atual exercício. Continuar lendo

Leia “Roda-viva diplomática”, por Danilo de Castro

Artigo do secretário de Estado de Governo, Danilo de Castro

O Brasil é um ator importante na arena das relações internacionais, em especial, na América do Sul, em razão de suas enormes fronteiras e de seu potencial econômico. Entretanto, nosso país vive um dos mais delicados momentos em sua diplomacia.

No enredo da atual política externa do Brasil há diversos episódios marcados por situações de risco, entre eles, destaco a troca do Paraguai pela Venezuela no Mercosul, o asilo do italiano Cesare Battisti, a desapropriação boliviana da refinaria da Petrobrás em Santa Cruz, e agora, a fuga do senador Roger Molina. Continuar lendo

A inflação não é neutra, alerta ITV

itv-logo534

O pessoal do Banco Central acha agora que a máquina de torrar dinheiro que funciona no Ministério da Fazenda e arredores não colide com o controle da inflação. No dizer dos técnicos, a política fiscal petista caminha para uma “zona de neutralidade” que ninguém consegue enxergar. Trata-se de uma espécie de “ata Tiririca”: pior do que está não fica. O risco, com isso, é deixar de atacar com o ímpeto necessário o mal maior: a inflação que a todos penaliza. Leia, abaixo, análise completa do Instituto Teotônio Vilela (ITV) em sua Carta de Formulação e Mobilização Política desta sexta-feira (06/09).  Continuar lendo

Azeredo defende mais recursos para a saúde e critica descaso do governo petista com o setor

Dep.Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Foto Ag.Câmara
Dep.Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Foto Ag.Câmara

O deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG) criticou o governo federal pelo descaso com a saúde pública do país e defendeu projeto que destina 10% da receita corrente bruta da União para o setor. Os recursos adicionais ajudariam a melhorar o tendimento no SUS, beneficiando milhões de brasileiros. No entanto, a gestão Dilma Rousseff não dá a devida importância ao tema. “Os dados referentes à participação do governo nas despesas gerais de saúde são declinantes e mostram que o PT não tem priorizado o setor”, lamentou.

O Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública entregou em agosto à presidência da Câmara essa proposta de iniciativa popular que aumentaria os recursos para o SUS. Foram mais de 800 mil assinaturas de apoio. Segundo Azeredo, a luta pela defesa da melhoria no financiamento é uma tentativa de resgatar a importância da saúde, colocada em 2º plano pelas gestões petistas.

“As pesquisas mostram que o setor é apontado como o mais problemático pelos brasileiros”, explicou, ao lembrar que o incremento dos recursos pode contribuir para melhorar a qualidade do SUS. “Já que a presidente foi contra a Emenda 29, vamos agora com o movimento popular insistir nos 10%”, apontou, ao se referir ao texto que vincula recursos orçamentários destinados à saúde pelas três esferas de governo (União, estados e municípios). Continuar lendo