Em artigo, Renata Vilhena explica como Minas saltou de um patamar de médio para alto IDHM

Em artigo publicado, nesta terça-feira (30/08), no jornal O Tempo, a secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, destacou os aspectos que contribuíram para elevar o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) mineiro de 2000 a 2010. O IDHM foi divulgado esta semana em Brasília pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) e a Fundação João Pinheiro (FJP).

Segundo Renata Vilhena, a evolução de Minas Gerais no índice, que leva em conta a expectativa de vida (longevidade), renda e educação da população em nível regional, ocorreu em função de contínuas e consistentes melhoras registradas em todas as dimensões do  IDHM. “A dimensão Educação foi a que mais evoluiu no estado entre 2000 e 2010, saindo de um índice de 0,470, considerado muito baixo, para 0,638, no patamar médio – uma elevação de 36%. Neste quesito, o índice de Minas foi superior aos índices de dois terços dos estados. Este avanço é resultado da revolução ocorrida na educação pública de Minas na última década, lastreada em iniciativas inovadoras, como a que tornou obrigatória, de forma pioneira no país, a matrícula de alunos com seis anos de idade nas escolas”, exemplifica Renata em seu texto.  

 

Governo do Minas libera recursos para reforma de parques de exposições em 100 municípios mineiros

Serão investidos R$ 10 milhões na melhoria da infraestrutura dos locais, que são importantes espaços para o incremento das atividades rurais

Tradicionais em Minas Gerais na realização de eventos agropecuários, os parques de exposições de 100 municípios mineiros serão reformados e revitalizados pelo Governo de Minas. Nesta terça-feira (30), durante cerimônia na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, com a presença de prefeitos dos municípios beneficiados e presidentes de sindicatos e associações de produtores rurais, o governador Antonio Anastasia liberou R$ 10 milhões para recuperação da infraestrutura dos parques.

Ele afirmou que investir na melhoria da infraestrutura dos parques de exposições é trabalhar para o fortalecimento do agronegócio mineiro. “Tivemos essa iniciativa com o propósito de melhorar essa infraestrutura necessária para as exposições, para a realização dos concursos e também até para o lazer, porque sabemos que um parque de exposições em um município do interior do Estado acaba sendo o local, também, para diversas manifestações cívicas, culturais e, inclusive, manifestações que envolvem atividades de lazer”, ressaltou o governador.

O valor médio a ser investido em cada município é de R$ 100 mil. Os recursos são provenientes de operação de crédito contratada junto ao Banco do Brasil, em janeiro deste ano, envolvendo recursos da ordem de R$ 3,6 bilhões, para financiar ações previstas no Plano Plurianual de Ação Governamental em modernização de gestão, infraestrutura, mobilidade urbana, segurança, esportes e juventude, habitação, cultura e turismo.

Antonio Anastasia afirmou que criar todas as condições de infraestrutura para os agricultores é dever dos governos e que a atividade deve ter todo o apoio necessário para se desenvolver cada vez mais.

Continuar lendo

Rombo de R$ 7 bi mostra que Dilma não tem competência para lidar com setor energético, afirma Rodrigo de Castro

Deputado Rodrigo de Castro - Crédito: George Gianni / PSDB
Deputado Rodrigo de Castro – Crédito: George Gianni / PSDB

Um rombo de quase R$ 7 bilhões no caixa do Tesouro pode ameaçar a redução de 20% na conta de luz dos brasileiros, prometida pela presidente Dilma Rousseff em cadeia nacional de rádio e televisão no fim do ano passado. Isso porque, segundo fontes do governo, seria necessário um reajuste médio de quase o mesmo percentual, cerca de 20%, nas tarifas para que o governo possa pagar as empresas de energia que aceitaram renovar suas concessões antecipadamente. As informações são do jornal O Globo (30).

“Dilma, que já foi ministra do setor, mostra que não tem a menor competência para lidar com a questão energética”, critica o deputado federal Rodrigo de Castro (PSDB-MG), titular da Comissão de Minas e Energia da Câmara.

“Em relação à energia, o governo petista tem agido de maneira bastante infeliz. Como um exemplo, podemos citar como ele desorganizou o setor do álcool, que era um modelo para o Brasil”, aponta.

Segundo a reportagem do jornal O Globo, se forem considerados os valores previstos para o próximo ano, o déficit poderá atingir os R$ 18 bilhões. A situação piora porque o governo já quase não tem recursos em seus fundos setoriais, usados para cobrir o gasto extra com as usinas termoelétricas. Até maio, o saldo da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), por exemplo, era de apenas R$ 218,1 milhões.

Para o tucano, o setor energético no Brasil vive uma crise semelhante a que assola a Petrobras. “A empresa hoje vive uma situação difícil, onde tem um dos maiores rombos financeiros da sua história. Na energia é a mesma coisa. Quando mexeu no setor elétrico, o governo causou um grande caos e prejuízo às empresas”, completa.

Fonte: Portal PSDB

IDH: tucanos fizeram mais pela melhoria da qualidade de vida dos brasileiros nos últimos 20 anos

A pesquisa do Pnud é riquíssima para apontar quais caminhos o país precisa seguir para alcançar condições de desenvolvimento realmente mais dignas. “E serve, também, para mostrar quem mais fez pela melhoria da qualidade de vida dos brasileiros nos últimos 20 anos. Para a infelicidade dos petistas, o Brasil não foi descoberto em 1° de janeiro de 2003, com a posse de Lula. Se é para comparar, nas últimas duas décadas a vitória é dos tucanos”, aponta a Carta de Formulação e Mobilização Política desta terça-feira (30). Confira a íntegra do documento editado pelo Instituto Teotonio Vilela:

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) divulgado ontem mostra, felizmente, um país em evolução, que caminha para superar seu secular atraso. O indicador deixa claro que as duas últimas décadas foram prodigiosas. Mas é muito importante também porque implode uma falsa visão que os petistas tanto gostam de propagandear: a de que o Brasil foi descoberto em 1° de janeiro de 2003, com a posse de Lula.

Há muito que comemorar no levantamento publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Na média, o IDH dos municípios brasileiros subiu 47,5% desde 1991 até 2010, passando de 0,493 para 0,727. Com isso, deixou de ser considerado “muito baixo” para ser classificado como “alto”. Progredimos.

Duas décadas atrás, o Brasil tinha 86% de seus municípios com IDH “muito baixo”. Hoje apenas 0,6% ainda continuam nestas sofríveis condições, levando em consideração as dimensões renda, longevidade e educação. Melhor ainda, cerca de um terço das cidades do país já alcançaram status de “altamente desenvolvidas”.

Entre as três dimensões, os municípios brasileiros saem-se melhor em longevidade, com média de 0,816 e expansão de 23% em duas décadas. Educação mantém-se como a mais baixa (0,637), embora tenha sido a de maior progressão ao longo destes últimos 20 anos: evoluiu 128%. O avanço dos rendimentos foi o menor (14%) do período, levando o indicador específico desta dimensão para 0,739.

O levantamento do Pnud permite analisar a evolução dos municípios brasileiros dividindo-a em duas fases: de 1991 a 2000, período que praticamente coincide com o governo de Fernando Henrique Cardoso, e 2001 a 2010, dominada predominantemente pela gestão de Luiz Inácio Lula da Silva. Em quase tudo, o desempenho no primeiro decênio supera o do segundo.

Na média, o IDHM geral saltou 24% de 1991 a 2000 e, no período seguinte, melhorou mais 19%. Na educação, a diferença é cavalar: na primeira metade das duas últimas décadas, ou seja, na fase predominantemente tucana, o avanço obtido pelo país foi de 63%, percentual que caiu para 40% no decênio seguinte.

Os avanços na renda praticamente se equivalem nos dois períodos: 6,9% entre 1991 e 2000 e 6,8% de 2000 a 2010. Apenas a progressão no indicador específico para longevidade foi mais elevada, ainda que levemente, nos anos que coincidem majoritariamente com os da gestão petista: aumento de 12% no período mais recente, ante 10% no decênio inicial.

Ficar fazendo comparações pretéritas é como ficar olhando para o retrovisor sem ver se o carro ruma para espatifar-se contra o muro. Mas este é o esporte preferido dos petistas, como fez, novamente, a presidente Dilma Rousseff na entrevista que deu à Folha de S.Paulo publicada no domingo. É algo tão descabido que equivaleria a ver Fernando Henrique cotejando-se a João Baptista Figueiredo lá na metade inicial de seu governo…

Em lugar de ficar contemplando o passado, o importante é mirar no que o Brasil realmente precisa investir para construir seu futuro. E o que o Pnud, mais uma vez, deixa evidente com o IDHM é que nosso grande gargalo é a educação: entre nossos jovens de 15 a 17 anos, apenas 57% completaram o ensino fundamental e, entre 18 e 20, só 41% concluíram o médio.

Conseguimos pôr praticamente todas as crianças brasileiras na escola – hoje 91% delas estão nas salas de aula – mas não lhes oferecemos educação de qualidade. Basta ver quais são os municípios mais desenvolvidos do país – a paulista São Caetano do Sul continua liderando o ranking nacional – para se constatar que a chave do sucesso é a aprendizagem bem feita.

“Os dados revelam uma defasagem no caminho seguido por quem está na escola. É como se o estudante desistisse ano a ano. Especialistas em educação sabem que escola boa segura o aluno, mas escola ruim o expulsa”, analisa a Folha. Para complicar, as diferenças regionais são ainda mais evidentes nesta dimensão: localidades do Norte e do Nordeste saem-se bem pior que o resto do país.

Um último aspecto a considerar é a limitada influência do quesito renda na melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. A queda na mortalidade infantil – que influencia a dimensão longevidade – pesou muito mais na expansão verificada nos últimos 20 anos do que, por exemplo, a universalização de programas como o Bolsa Família.

A pesquisa do Pnud é riquíssima para apontar quais caminhos o país precisa seguir para alcançar condições de desenvolvimento realmente mais dignas. E serve, também, para mostrar quem mais fez pela melhoria da qualidade de vida dos brasileiros nos últimos 20 anos. Se é para comparar, a vitória é dos tucanos.

Investimentos continuam travados no Dnit

Publicado em 30-07-13

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pela execução de obras rodoviárias, ferroviárias e hidroviárias, principal unidade gestora do Ministério dos Transportes, ainda não conseguiu dar bom ritmo de execução aos seus investimentos.

A unidade orçamentária possui R$ 13,5 bilhões autorizados em orçamento para este ano, porém até junho apenas R$ 3,2 bilhões foram aplicados, o equivalente a 23,6%. Se a execução fosse linear, pelo menos 50% dos recursos já deveriam ter sido desembolsados.

Na principal ação para 2013, por exemplo, a de “manutenção de trechos rodoviários na região Nordeste”, que possui R$ 1,5 bilhão previsto em investimentos, apenas 1% do valor foi utilizado. O percentual equivale a R$ 12,9 milhões aplicados. Apesar disso, R$ 910,1 milhões já foram empenhados, ou seja, reservado em orçamento para gasto posterior.

Outra ação de grande vulto para a qual foi desembolsado apenas 1% dos recursos disponíveis para investimentos em 2013 é a de manutenção em trechos rodoviários na região Norte. Do total de R$ 1,2 bilhão previsto para este ano, somente R$ 12,7 milhões foram pagos. O montante empenhado chegou a R$ 517,3 milhões, o que corresponde a 41,6% do autorizado. Continuar lendo

Blog da Dilma acha que Joaquim Barbosa deveria “voltar para o tronco”

Juvenal Araújo - coordenador nacional do Secretariado da Militância Negra do PSDB
Juvenal Araújo – coordenador nacional do Secretariado da Militância Negra do PSDB

Artigo do coordenador nacional do Secretariado da Militância Negra do PSDB e presidente do Secretariado da Militância Negra do PSDB de Minas Gerais – Tucanafro, Juvenal Araújo  

De maneira agressiva e desrespeitosa, o Blog da Dilma criticou a postura de Joaquim Barbosa que não cumprimentou a presidente durante as saudações ao Papa Francisco. A publicação, de extremo mau gosto, acusou o ministro de agredir mulheres, juízes e repórteres e foi racista ao ilustrar a matéria com uma imagem de um escravo apanhando no tronco.Com viés racista e desrespeitoso, o Blog da Dilma, publicação de simpatizantes do PT e da presidente, criticou a atitude do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, durante encontro com o Papa Francisco no Rio de Janeiro.

Ao que parece, para o PT e seus seguidores, Joaquim Barbosa deveria ser grato por ocupar o mais alto cargo da corte, já que tem em sua ascendência sangue escravo. Dilma e seus companheiros demonstraram, mais uma vez, como agem de forma truculenta e preconceituosa com aqueles que não concordam com o totalitarismo do seu governo.

Ao contrário do que sugere a publicação, que considera desrespeitosa a atitude do presidente na ocasião, ele foi ovacionado pelo público no encontro e só não recebeu mais aplausos que o próprio papa. O texto ainda insinua que Joaquim Barbosa é corrupto e que erra em julgamentos.

A questão do racismo do PT, que antes era apenas sugerida, mas jamais pronunciada, começou a aparecer quando o ainda deputado João Paulo Cunha (PT-SP), condenado por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, revelou o que realmente pensa o PT. Inconformado com a atuação do ministro Joaquim Barbosa, quando assumiu a presidência do STF, Cunha vomitou o seu racismo: “[Barbosa] Chegou [ao Supremo] porque era compromisso nosso, do PT e do Lula, de reparar um pedaço da injustiça histórica com os negros”.

No pensamento petista, Joaquim Barbosa não chegou ao Supremo por seus méritos, mas porque é preto. Assim, quem o nomeou ministro foi a vontade de Lula, que lhe teria prestado, então, um favor, fazendo uma concessão a uma “raça”, mas por ser negro, Barbosa estaria impedido de julgar segundo os autos, as leis e a sua consciência. A cor da pele lhe imporia, logo à partida, um determinado conteúdo.

Lula, o PT e os petistas esperavam um negro grato, de joelhos, beijando as mãos dos seus senhores. Queriam um Joaquim Barbosa doce como um negro forro, que se desfizesse em amabilidades com o seu ex-senhor e se sentisse feliz por ter sido um dos escolhidos da senzala para receber o galardão da liberdade.

Em vez disso, o que se tem, na visão dos petistas, é um negro ingrato, que decidiu olhar a lei, não quem o nomeou; que decidiu se ater aos crimes cometidos pelos réus, não à cor de sua própria pele; que decidiu seguir as regras do estado democrático e de direito, não o projeto de poder de um partido.

Não há dúvida de que essas e outras agressões e ofensas surgiram após o ministro Joaquim Barbosa não agir conforme os anseios petistas no julgamento do Mensalão.

Primeira concorrência para instalação de trem metropolitano na RMBH é anunciada

Governador assina acordo com Agência Nacional de Transportes Terrestres e Empresa de Planejamento e Logística para viabilizar transporte ferroviário de passageiros

Por muitos anos um metrô que ligasse diversas cidades da região metropolitana de Belo Horizonte foi apenas um sonho. Agora, aquilo que era um projeto poderá se tornar realidade por meio de um trem metropolitano. Poucas pessoas sabem, mas existem diversas linhas em toda a extensão da região que hoje servem para o transporte de cargas. A intenção do Governo de Minas é utilizar a infraestrutura existente nessas linhas para viabilizar também o transporte de passageiros.

O governador Antonio Anastasia anunciou nesta sexta-feira (26), no Palácio Tiradentes, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, que entre o final deste ano e o início de 2014 será lançado um edital de concorrência para adequação dessas linhas para o transporte de passageiros. Para viabilizar o projeto do TREM – Transporte sobre Trilhos Metropolitano, o governador assinou um Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo de Minas, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Empresa de Planejamento e Logística (EPL), do Governo Federal, para eliminar as lacunas regulatórias existentes no tráfego ferroviário de passageiros.

“Fico muito satisfeito de termos assinado esse convênio. Na realidade é mais um passo dentro de uma quase epopéia de devolver a Minas Gerais aquilo que nós, mineiros, temos, uma grande vocação que é o transporte ferroviário. No momento atual por que passa o Brasil, com grande clamor público para a melhoria dos transportes coletivos que é uma grande necessidade, nós precisamos inovar e sermos criativos. A nossa intenção é utilizar uma infraestrutura já existente que pode ser otimizada e aprimorada para que também, além da carga que é tão importante, para o transporte de passageiros, diminuindo o número de veículos, de ônibus, de emissão de gás carbônico, facilitando a mobilidade das pessoas”, afirmou Anastasia.

Continuar lendo